Archive | janeiro, 2011
Article

Servos, não! Mas Filhos – Qui. 27/01

Como é esplêndido o perdão que Deus nos oferece. Não há como explicar o processo que existe no céu no qual limpa todas as nossas transgressões e nos dá novamente o título de justos. Vislumbrar o nosso nome no livro da vida, escrito em ouro, dizendo que somos agora santos, pois todos os nossos pecados foram apagados através do sangue do cordeiro. Não há palavras como descrever a alegria dos anjos ao ver que um pecador foi chamado novamente para a luz, justificado e purificado para um novo viver. Perdão total. Perdão que molda e transforma a vida. Que cura e dá paz. Que salva e redime. Perdão que só encontramos nAquele que por nós morreu e já pagou toda a culpa que você e eu tínhamos. Sem merecermos, fomos já chamados por Cristo para sermos livres de qualquer culpa e herdeiros de Deus.

Mas é preciso aceitar. Somente através da fé e confiança em sua palavra é que podemos aceitar o fato que Deus nos perdoa e perdoa como ninguém. Em sua palavra Ele diz que lança nas profundezas do mar os nossos pecados (Mq. 7:19), diz que coloca a distância do oriente ao ocidente para separação das nossas transgressões (Sl. 103:12) e tinge de branco aquilo que estava sujo e manchado pelos nossos erros (Is. 1:18).

“Jesus contou, certa vez, a parábola do filho pródigo. Se esse filho não conhecesse tão bem o amor e a misericórdia de seu pai; se esse filho que um dia magoou o pai, traiu sua confiança e dissipou os seus bens acumulados ao longo de anos de trabalho; se esse filho não conhecesse a grandeza do perdão total de seu pai; você crê que ele teria voltado para casa? Teria ele coragem de enfrentar o pai?

Esta parábola mostra como Deus recebe de volta a você e a mim, depois que nos afastamos dEle, não importa quão errado tenhamos vivido. O mais extraordinário nesta história é que o filho pródigo diz para o pai: ‘Não precisa me perdoar plenamente, só um pouquinho do seu perdão já me é suficiente. Trata-me apenas como um de seus empregados, como um de seus servos.’ Mas o pai diz: ‘Não! Você é meu filho!’ Deus quer fazer o mesmo por você, se você quiser:” “De sorte que já não és mais escravo, porém filho; e sendo filho, também herdeiro por Deus.” Gl. 4:7.

Aceite e viva o perdão que Deus te dá. Um dia um santo, Jesus Cristo, foi açoitado, humilhado e cuspido para te dar esse livramento. Suas mãos pregadas. Suas costas dilaceradas em carne viva. Seu corpo sangrado para que hoje eu e você pudéssemos estar justificados perante Deus de todo e qualquer pecado. Mas no momento da morte no qual qualquer homem pediria somente a abreviação desses momentos terríveis, Cristo com grande esforço disse: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.” Na dor, Cristo ainda lembra de você para te perdoar. Será que na sua dor não há espaço para um Deus perdoador? Pense nisso. E pode ir confiante, com os braços abertos, pois Deus te perdoa e restaura qualquer culpa. Ele é poderoso em transformar até as maldições em bençãos para você. Aceite este perdão, pois “o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado […] Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” Jo. 1:7 e 9.

Robson Teles

Faça seu comentário
Article

Você pode ou não me ajudar? – Ter. 25/01

Olá pessoal, como este é meu primeiro comentário acho que seria interessante me apresentar. Meu nome é Israel Cavalli, sou pastor no Rio Grande do Sul e atuo como capelão do Colégio Adventista de Viamão. A partir de hoje estarei partilhando algumas ideias sobre a lição de terça-feira. Obrigado pelo convite de estar aqui semanalmente com vocês. Que Deus possa nos ajudar a crescermos juntos no conhecimento e na graça. Agora chega de enrolar e vamos ao que interessa (risos):

Aquele jovem há muito tempo sofria com o peso da culpa. Desesperado com sua situação foi ao consultório de um psicólogo em busca de auxilio. O drama vivido por ele era evidente. Tocado pela situação, o médico cristão começa a dar alguns conselhos bíblicos sobre como vencer o pecado. Fala acerca da vitória sobre a tentação que podemos obter através de Jesus e sobre a importância de nos apegarmos a Deus a cada instante. Para surpresa do profissional, ele é interrompido pelo jovem que diz: “Ei, você não entendeu meu problema. Não quero parar de pecar, quero apenas fazê-lo sem sentir culpa, você pode ou não me ajudar?”

A grande verdade é que a maioria das pessoas não teria nenhum problema em pecar, desde que não tivessem que lidar com a culpa advinda do erro. Mas infelizmente (ou talvez felizmente), todos nós, pelo menos por hora, temos de lidar com o “peso” da culpa. (felizmente, pois enquanto nos sentimos culpados sabemos que nossa mente ainda não está cauterizada e se permitirmos que o Espírito Santo atue podemos receber ser transformados, infelizmente, visto que a culpa aponta para a existência de pecados em nossa vida)

Algumas pessoas sentem mais culpa outras menos, mas todos nós em algum momento da vida nos sentimos culpados (ou pelo menos deveríamos, já que a bíblia é clara em dizer que todos pecaram e por hora, provavelmente continuam pecando). Franz Grillparzer, foi sábio em apontar a solução para a culpa, “há um remédio para as culpas, reconhecê-las”. Contudo, de acordo com a Bíblia, não basta reconhecer o erro, é necessário dar um passo além. A culpa quando não é seguida de arrependimento e consequentemente perdão, é hoje a responsável por tornar inúmeras pessoas extremamente infelizes. William Shakespeare, em uma de suas obras redigiu a afirmação de que em realidade “não existem culpados. O que existem são desgraçados.” Em um contexto teológico, alheio a secularidade de suas peças, ele estava na direção certa. Todo aquele que sente culpa é em realidade, um necessitado da graça de Deus. A graça que salva e perdoa.

Quando era criança, vez ou outra, eu e meus irmãos (Tiago e Milca) ficávamos de castigo. Os motivos eram variados. Quem quebrou isso? Quem fez aquilo? Quem abriu o e comeu o leite moça?rsrs… Lembro que quando o culpado não aparecia, geralmente os três ficavam de castigo até o que o culpado se manifestasse. Lembro-me que algumas vezes meu irmão aparecia com a ideia: “vamos tirar dois ou um, quem perder confessa a culpa”. Até hoje desconfio de que meus irmãos tinham algum acordo entre si, pois na maioria das vezes sobrava pra mim. Mas “injustiças” à parte, a grande verdade é que a “confissão” era sempre seguida pelo “perdão”. Após confessar o erro, erámos perdoados e libertos do castigo.

A certeza que você pode ter é que quando confessa sua culpa, você é perdoado e liberto. Então o que está esperando? A paz de espírito está te esperando. Não fique carregando o peso da culpa se você pode se livrar dela agora mesmo. Assim como Davi no Salmo 51, ore a Deus: “Senhor, “Lava-me completamente da minha iniquidade, e purifica-me do meu pecado. Purifica-me com hissope, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve. Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto. Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário.”

Lembre-se:

“Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo.” Salmo 32:2

Pr. Israel Cavalli

Faça seu comentário
Article

Culpa e Perdão – Seg. 24/01

Há algo mais aterrorizador do que a culpa? A culpa está diretamente ligada à consciência. Quanto mais a consciência nos acusa mais culpados nos sentimos e isso gera uma viagem direta para um processo depressivo. Quanto mais sensível a consciência, maior implicação de culpa e maior consequência somática. O pecado gera culpa que gera problemas psicológicos que podem até levar à morte. Isso faz com que a primeira reação que nos vêm à mente é mandá-la para longe de nós ou seja culpar os outros a exemplo típico de Adão e Eva. Mas essa não foi a solução ideal. Pense agora na culpa que paralisa, como o salmista diz: “…pois eu conheço as minhas transgressões, e meu pecado está sempre diante de mim…”. Na história de José do Egito, encontramos os irmãos diante de situações diversas que os deixava aterrorizados pelo sentimento de culpa pelo que fizeram a José. Não precisamos ir tão longe para saber o q a culpa nos causa: olhe para dentro de si mesmo – quais reações teremos? Revivemos continuamente a imagem que despedaça nossa mente e alma? Ficamos paralisados? Culpamos os outros e apontamos os seus erros como se isso diminuísse os nossos? Ou podemos deixar a culpa fazer um papel positivo – reflexão, confissão, perdão e salvação?

Deus já tomou providência, louvado seja Ele por isso, não devemos temer revelar nossos pecados a Deus: Ele já os conhece. Deus nunca nos fará sentir mais pecadores do que somos e Ele não nos agride para inspirar em nós o desejo de mudança de vida Ele não nos apartará dEle e sim nos ajudará a nos apartarmos do pecado e nos atrairá para Ele mesmo. É Ele que limpa a nossa vida, coloca as coisas em ordem, corrige, conserta, purifica, alivia. Se confessarmos verdadeiramente, precisamos decidir não continuar pecando e orar a Deus pedindo forças para derrotar a tentação quando ela aparecer! Ele é Maravilhoso e nos ama e é assim que devemos agir para com os que nos cercam! Aliviar o fardo da culpa, fazendo as pessoas se sentirem amadas por Deus e por nós!

Angélica Osiro

Faça seu comentário
Article

Relacionamento: Chave para a Salvação – Qui. 20/01

Ao ler a lição dessa semana eu fiquei com vontade de compartilhar com vocês um trecho de um dos meus sermões que fala sobre relacionamento. Segue abaixo:

Por muitos anos tentei e pensei em como realizar um relacionamento com Deus. Uma das tentativas foi através da oração. Coloquei um plano que todos os dias antes de dormir falaria com Deus! Deu certo durante duas semanas. Até que um dia fui viajar e no meio da viagem sai da rotina, e esqueci de fazer a oração e o plano furou. Depois, tive uma outra idéia. Iria cada dia ler um trecho da bíblia, de preferência um capítulo, mas acabou também não dando muito certo. Ano bíblico, não passava de Números. Oração na hora do almoço, esquecia. Oração pela manhã, acordava atrasado. Leituras de sexta-feira, de vez em quando. E muitos foram os planos de como se relacionar com Jesus e todos eles falharam. Quantos já tentaram fazer essas mesmas coisas e também não conseguiram? Quantos podem dizer que conhecem verdadeiramente a Jesus? Ouvir falar, todos nós já ouvimos, mas conhecer é bem diferente. Então, o que há de errado? É somente um problema da nossa natureza pecaminosa? É um problema do pecado que não nos deixa relacionar intimamente com Cristo?

Vou apenas compartilhar um conceito de outros que menciono no sermão:

Deixe Cristo viver em você. Não vivo EU, mas Cristo vive em mim. Confiança é essencial para aumentar o seu relacionamento com Cristo. Deposite todas as fichas nEle. Acredite que Ele é a pessoa mais importante da sua vida. Dê a Ele o trono do EU e verá como muitas bençãos virão na sua vida. O crescimento na vida cristã é aprender e depender mais e mais de Deus a cada dia. Esse é o segredo do crescimento espiritual: dependência.

Sabe, por muitos anos queria que esse versículo “Não vivo eu, mas Cristo vive em mim“ fosse uma realidade na minha vida e sempre lutei muito para isso. Hoje, eu sei como fazê-lo. São as pequenas coisas que Deus quer tomar conta por nós. Entregue seus desejos, suas vontades, sua raiva, sua frustração, seu dia-a-dia à ele. Como? Renegando as suas próprias vontades e desejos e submetendo-os aos dEle constantemente. Vou dar um pequeno exemplo: quando alguém fura a fila ou te dá uma fechada no trânsito, qual é a sua reação? Se é xingar, dizer palavrões, brigar, você está fazendo a sua vontade. Nesta hora submeta a sua raiva, nervosismo para Deus e verá a diferença nas suas reações. Não é nada fácil e não é um milagre da noite para o dia, mas sim um processo contínuo que será nutrido através da prática e do tempo. E isso é o princípio de um relacionamento.

É uma luta diária de submissão. Ainda luto para que isso se torne uma realidade plena na minha vida, mas lembre-se que Deus sempre estará ao seu lado para lhe ajudar no que for preciso. Diga a Ele que quer aumentar o seu relacionamento com Jesus e Ele com certeza lhe ajudará. Se mantivermos indo a Ele, Deus mesmo se responsibilizará por cuidar de tudo o mais em nossa vida. Nunca desista. Não deixe que os planos do inimigo ou as nuvens escuras de problemas desse mundo possam bloquear ou lhe afastar do objetivo de relacionar-se intimamente com Cristo. Lute. Não com suas próprias forças, mas peça ajuda ao seu amigo fiel e inseparável que lhe ama muito. O Desejado de todas as Nações na pág. 22 diz: “Se o olhar se mantiver fixo em Jesus, a obra do Espírito não cessa, até que a alma esteja conforme a Sua imagem”. Nada pode te impedir!!!! Confie e vá, pois Cristo está morrendo de saudades de você!

Robson Teles

Faça seu comentário
Article

Confessai – Qua. 19/01

Confessar nossos pecados requer muita humildade. Mas para termos humildade precisamos deixar que o Espirito de Deus nos dirija.
Necessitamos de uma verdadeira entrega a Deus para que o nosso “eu” não assuma o controle de nossa vida. Porque quando o “eu” assume o controle, nós não assumimos e também não enxergamos nossos pecados e muito menos confessamos.
Nosso guia de estudos nos diz que a confissão de nossos erros a alguém de confiança nos traz e cura emocional e alivia o fardo do pecado.

Mas o que devemos sempre nos lembrar é que nosso maior confidente é Jesus. Você pode ter um melhor amigo que sempre te ouve, um bom marido, namorada. Mas Jesus te conhece esta sempre disposto a te ouvir. Hoje ao orar confesse a Ele seus pecados. Abra seu coração e você se sentira mais leve.

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça”. 1 João 1:9

Danielle Borges

Faça seu comentário