Archive | abril, 2011
Article

Deixe que Deus lute por você – Qui. 28/04

Assim, tendo o Diabo acabado toda sorte de tentação, retirou-se dele até ocasião oportuna. Lucas 4:13

A tentação é algo que ocorre em nossa vida a todo o momento. Mesmo sem perceber estamos desejando algo que sabemos ser errado e que nos prejudicará. Tudo começa na nossa mente. Isso ocorre, pois nascemos pecadores e temos a tendência de fazer aquilo que carnal. O carnal que digo é tudo aquilo que nos afasta de Deus e que Deus nos aconselha a ter distância.

Jesus foi tentando pelo Diabo durante 40 dias. Veja o relato em Lucas 4. O número quarenta possui um significado importante na Bíblia. Vejamos alguns exemplos.

E caiu chuva sobre a terra durante quarenta dias e quarenta noites. Gênesis 7:17

Ao cabo de quarenta dias, abriu Noé a janela que havia feito na arca; Gênesis 8:6

E Moisés esteve ali com o Senhor quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água, e escreveu nas tábuas as palavras di pacto, os dez mandamentos. Êxodo 34:28

E quando tiveres cumprido estes dias, deitar-te-ás sobre o teu lado direito, e levarás a iniqüidade da casa de Judá; quarenta dias te dei, cada dia por um ano. Ezequiel 4:6

Uma opinião que tenho a respeito do significado das palavras “quarenta dias”, é voltado a provação e renovação.

Nos exemplos acima, Deus determinou estes períodos propositadamente para nos mostrar este significado.

Eu creio que quando nos mantemos sincronizados com Deus, em jejum e oração, nos aproximamos dele e ele de nós. Passamos a entender o motivo que Deus tem para nos amar e perdoar. Sentimos a presença de Deus ao nosso lado. Você passa a viver e a enxergar aquilo que estava ofuscado.

Iremos viver sempre em tentações mas temos caminhos por onde limpar nossos pecados a fim de podermos ter uma vida mais feliz e de paz neste mundo. Jesus sendo o nosso sumo sacerdote está de mãos abertas e ansioso para nos ouvir. O pecado confessado e arrependido de coração é esquecido por Jesus, pois ele realmente perdoa. Isso não significa que podemos pecar e pecar que é só pedir perdão que está tudo certo. Muito pelo contrário, o nosso pecado somente é perdoado quando há entrega e sincero arrependimento. Quando nos mantemos ligados a Deus, nossa alma é renovada e nossos pensamentos são modificados nos trazendo felicidade e paz.

Jamais teremos o poder de suportar por nós mesmos as tentações que o Diabo fez com Jesus em Lucas 4. Mas podemos ter o poder de suportar a tentação se dependermos de Jesus. A nossa mente sempre será guiada para o mau. Mas experimente deixar Jesus trabalhar em sua vida e as coisas irão mudar para melhor.

Permita que Deus trabalhe em sua vida. Deixe Jesus resolver o seus problemas e vá dormir em paz. Pois quando você se entrega nas mãos do Pai, não tem com o que se preocupar.

Deus jamais irá permitir uma tentação ou sofrimento além do que você suporte.

Fernando de Oliveira Carvalho

Faça seu comentário
Article

Quando Deus Desenha – Qua. 27/04

Todos os tipos do santuário são nada mais, nada menos, do que ilustrações daquilo que Deus queria ensinar ao seu povo. O Santuário é uma forma educativa de se explicar todo o plano da salvação e como a vida se processa nesta realidade, assim como a maneira que o homem deve se comportar nela.

Sendo assim, nada ali é por acaso. Das estampas nas cortinas, ao pão asmo. Tudo tem um sentido mais profundo. As cores diferentes e tipos diferentes de pedras no peitoral da roupa do sumo-sacerdote são totalmente propositais. O sacerdote é um representante direto de Cristo. Aquele que faz a mediação entre o povo e Deus. Cristo hoje é quem faz essa mediação entre as pessoas e o Pai, e o sumo-sacerdote era uma grande ilustração deste momento. Costumo dizer que o santuário é um desenho de Deus para entendermos os detalhes complicados, mas é mais do que isso, além de um desenho é também uma encenação. Por isso sabemos hoje, que tudo o que um sacerdote fazia no passado no templo feito por mãos humanas, Jesus faz hoje em um templo que não foi feito por mãos humanas.

Vamos deixar bem claro. (1) O Sacerdote era o que mediava entre as pessoas e Deus. A segunda coisa é que o sumo-sacerdote tinha uma roupa especial. Nesta roupa ele carregava duas predas principais chamadas Urim e Tumim, que eram usadas por Deus para responder diretamente ao sumo-sacerdote a respeito de Sua vontade. Então, conclusão nº (2) O sacerdote podia falar diretamente com Deus.

No peitoral de sua roupa ele carregava 12 pedras, que representavam as 12 tribos, ou seja, todo o povo de Israel. E cada uma de cor e tipos diferentes. Uma clara e evidente menção a pluralidade de formas. Sim, somos todos diferentes, mas unidos em um único lugar. Assim é a igreja e o povo de Deus. Pessoas diferentes, com características diferentes, pensamentos diferentes, criados segundo a vontade de Deus assim, mas unidos. Conclusão nº (3)Deus admite e incentiva diversidade e unidade. E o sacerdote era um dos responsáveis por essa unidade.

O que nos leva a última conclusão de hoje. Todas as pedras, representando todas as pessoas, estavam cuidadosamente colocadas no coração do sumo-sacerdote. Uma clara indicação de que Cristo amaria a todos! Seu amor era Sua motivação. Conclusão nº (4) Assim deveria ser a vida e o trabalho do Sacerdote. Pautada pelo amor aos seus irmãos (nomenclatura usada pelo próprio Cristo) em tudo. Sua vida e seu trabalho precisavam se assemelhar a vida e trabalho de Cristo. Por amor as pessoas. Para salvar as pessoas. Mediar pelas pessoas. E nunca por si mesmo. Ele era um servo de Deus e dos homens, por amor somente.

Então, esbarramos num problema. Jesus já cumpriu a grande maioria dos tipos do Santuário. E quando morreu na cruz, cumpriu todo o sistema do templo, acabando assim com a exigência sacerdotal da maneira como era feita. As coisas mudaram para um outro formato: “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”; (1Pe 2:9 ARA)

Sim, agora nós somos como sacerdotes. O sacerdócio real. “Os proclamadores das virtudes dAquele que nos chamou das trevas para Sua maravilhosa Luz”. Nós é quem simbolicamente vestimos as roupas sacerdotais. Não para uma vida simbólica, mas para uma vida REAL, idêntica a daqueles sacerdotes. Sendo assim, nós, é quem somos convocados hoje a (1) Mediar entra as pessoas e Jesus no sentido de “PROCLAMAR” o evangelho aos outros. Mostrar a Luz que é Cristo. Somos nós quem devemos hoje (2) falar diretamente com Deus. Sem mediação de ninguém, temos o privilégio de adentrar o Santíssimo em oração e conhecermos pessoalmente a vontade de Deus. Cabe a nós utilizarmos nossas diferenças nessa missão (3) e respeitarmos as diferenças dos outros nessa unidade que é o Reino de Deus. Onde todos nós somos “sacerdócio Real”. E claro, nós somos chamados hoje a amar uns aos outros. Afinarmos nossa religião, nossa missão e nossos relacionamentos na mesma nota que Cristo, o Amor. E seremos reconhecidos como “Sacerdócio Real”, 35 Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros. (Jo 13:35 ARA)

Pr. Diego Barreto

Faça seu comentário
Article

O poder transformador – Seg. 25/04

Provavelmente o modo mais mal compreendido com que Deus fala é através de impressões em nossa mente. Muitas pessoas me dizem: “Nunca ouço Deus me falar de maneira que você diz que Ele lhe fala. E eu sempre respondo”.Você ouve, sim ! Você Apenas não esta reconhecendo a voz suave e terna de Deus; ou então pode ser que esteja tão acostumado a ignorar seus chamados, que você nem os ouve mais”.

Você já reparou que as pessoas que moram perto de uma estrada de ferro sequer parecem notar quando os trens passam, ao passo que os visitantes quase ficam surdos com o barulho ?

Podemos fazer o mesmo com Deus. Quando ignoramos persistentemente seus chamados, eles simplesmente vão se misturando com os demais ruídos até que se tornam quase irreconhecíveis.

Como acontece com um amigo, quanto mais ouço a sua voz, mais fácil se torna reconhecê-la.

Nesta semana vamos também estudar a vida de Arão, escolhido pelo Senhor para se tornar o primeiro chefe do sacerdócio, apesar da enormidade de seu pecado (Êx 28:1).

A graça de Deus nos permite abri um caminho diante de nós, temos um Sumo Sacerdote com quem podemos nos identificar.

Algum tempo atrás escutei pela primeira vez uma música chamada “mais uma chance” e um dos trechos que mais causa impacto em mim, está logo abaixo. Convido agora a meditar nessas palavras e também suplicar em oração que não desistamos nunca DEle.

Dai-me força Senhor pra vencer as provações e esperança

Senhor de que tudo vai mudar.

E ao receber os teus milagres,me ajude a confiar nas tuas

Mãos e no poder transformador do teu perdão.

Ao entregar-te o meu ser, eu só te peço nunca me deixa ir

A tua companhia jamais quero perder.

Renova minha fé e me ensina me obedecer.

Amém.

Ingrid Oliveira

Faça seu comentário
Article

Experimente ser moldado por Deus – Qui. 21/04

A lição dessa semana nos revela o que a mente humana é capaz de cometer. Sem dúvida não passa pela sua mente fazer o mau a alguém muito menos fazer algo contra alguém de sua família.

Talvez venha em sua mente, o porque de Deus permitir que isso ocorresse com José?
Ao ler toda a história, podemos podemos aprender algumas lições importantes.

1 – Deus jamais irá permitir que você passe por alguma provação que não suporte.

Na história, José é vendido pelos seus irmãos a pessoas que ele jamais conheceu. Imagine o que se passava em sua mente ali parado esperando ser comprado. Provavelmente ele nem sabia o idioma e ficava atento ao que iria acontecer. Mesmo assim, José esteve em comunhão com Deus.

2 – Um cristão é moldado pelos seus princípios morais pois anda nos caminhos de Deus.

José ganhou cargo de confiança e trabalhou na casa de seu dono um importante homem responsável pelo exército de Faraó. A esposa deste homem tentou deitar-se com José, mas ele fugiu. Então ela disse a seu marido que José tentou deitar-se com ela. O resultado nós sabemos, José foi preso sem ao menos pode se defender. Na prisão ainda assim, José louvava a Deus.

3 – Aquele que crê em algo que não se pode ver, esse sim é temente a Deus pois possui fé no Senhor.

Traído pelos seus irmãos. Preso injustamente. Nesta situação, o que você eu pensaríamos?Deus nos abandonou? Talvez sim, mas José permaneceu firme e ainda louvando a Deus.

Um dia o Faraó teve um sonho, e uma pessoa que esteve presa com José, lembrou-se que um dia José havia revelado seu sonho, e disse ao Faraó. José foi solto, e após revelar o sonho de Faraó foi colocado em um posto abaixo apenas do próprio Faraó. Aqui, aprendemos que o tempo de Deus é diferente do nosso. Deus nos permite passar por provações não para nos testar, mas sim para moldar o nosso caráter

4 – Perdoar é dádiva de Deus pois nós humanos e pecadores não temos esse poder sem estarmos junto ao Criador.

Um dia seus irmão apareceram no Egito a fim de buscar comida por causa da fome e seca que estava ocorrendo. José poderia ter se vingado de seus irmãos, mas ele não fez isso. Pelo contrário. José perdoou a ainda os ajudou.

Todas estas atitudes de José somente foram possíveis porque ele se manteve ao lado de Deus em todas as situações. Quando você crê que Deus é seu único salvador, nada tem a temer. A sua vida passa a ter valor e você passa a ter paz. As coisas desse mundo não o atacam pois você está vertido na túnica do Senhor.

Não iremos ter uma melhora neste mundo. Devemos nos manter juntos de Deus. Procurar estar em comunhão com ele todos os dias. Experimente deixar Deus moldar a sua vida e eu tenho certeza que ele fará de você um instrumento de trazer almas perdidas e cansadas aos pés da cruz.

Agradeça a Deus pelas aflições que você está passando, nunca deixe de louvá-lo pois o final é a glória. Deus não deixa que nenhum de seus filhos seja injustiçado. Acredite.

Faça seu comentário
Article

A semente do mal – Qua. 20/04

O pecado não é apenas coisa de momento. Ele pode ser plantado, regado e colhido. Pode germinar lentamente nos corações. Assim como no coração dos onze irmãos de José. Eu sinceramente não creio que sobre eles repouse TODA a culpa. Acho sinceramente que como bem pontua o texto bíblico, José tinha algumas manias muito incomodas: 1 – Era Fofoqueiro (Gn 37:2), 2 – Mimado (Gn 37:3), 3 – Como todo bom mimado, gostava de dizer que estava por cima (Gn 37:5). E para piorar tudo ainda mais, Jacó percebia o caso e nada fazia (Gn 37:10-11).

Convenhamos José foi um grande homem. Homem de Deus, que permaneceu fiel, mas isso não quer dizer que era perfeito, que nasceu pronto! As vezes mitologizamos demais os personagens bíblicos e queremos imaginar que José era perfeito desde o começo, uma vítima desde sempre, e que nada tinha de errado por ter sido fiel a Deus quando foi necessário. Nada mais falso. José, Abraão, Jacó, Davi, Isaque, Moisés e muitos outros, foram homens de Deus, mas nenhum foi perfeito. E José tinha sérios problemas na adolescência.

Sinceramente não acho que os onze irmãos o odiavam de graça. Não acredito que onze pessoas possam se encher de fúria e ódio por pouca coisa. Conheço individuos que se enfurecem atoa. Mas esse não é o caso de um grupo com onze pessoas. Eles tinha razões pra odiar José. E essas “razões” os levaram ao ato extremo. Não quero, nem vou, justificar os onze irmãos. Mas tanto Jacó quanto José tem sua parcela de culpa nesta provocação.

O sofrimento de José e de Jacó foi semeado. E o simbolo dessa semente pode ser a veste colorida. O simbolo da discórdia naquela família. Ela acenava para um amor especial por José, ela era sinonimo da irritação dos onze irmãos com José, ela foi quem identificou José ao longe, ela era evidência de um crime e foi ela quem serviu de engodo para a triste mentira que enganou Jacó por anos.

Se rastrearmos o movimento da veste colorida nessa história veremos exatamente por que caminhos o erro percorreu até lograr seu exito na tentativa de assassinato, no sequestro e no engano.

Aprendi certa vez em dos sermões do Pr. Mark Finley, algo que ilustra bem a moral dessa história. Ele dizia que Sempre colhemos o que plantamos. Na mesma espécie, em quantidade maior e um tempo depois. Se plantarmos feijão, colheremos feijão. Não tem como colhermos outra coisa. Sendo assim, se agirmos mal, não haverá outra colheita que não seja de mal! Quando plantamos uma semente, colhemos varias, em quantidade muito maior do que plantamos. Entretanto, nunca imediatamente, sempre esperamos um tempo, até que venhamos a colher o que plantamos.

Jacó, José e os irmãos, todos colheram o que plantaram. Em tempos diferentes. E quantidades maiores. O pecado nunca é amigável, nunca é inocente, nunca é ingenuo. Ele sempre é mal e SEMPRE vai te prejudicar, por menor que pareça. A história da veste colorida está aqui pra nos mostrar como o pecado pode afetar profundamente a sua vida e a de todos que te cercam. Plante suas ações com responsabílidade.

Pr. Diego Barreto

Faça seu comentário