Article

Eu também quero! – Dom. 24/02

Eu creio que a medida que Adão ia nominando os animais que Deus criou e percebendo que todos eles tinham seu correspondente fêmea ele foi se inquietando. Foi vendo que o Urso, o Elefante, o Leão, o Cachorro, enfim, todos eles tinham sua parceira. E ele? Onde estava a sua outra metade? E dai eu creio que ele pensou ” Eu também quero!” E Deus, que em Sua grandeza e sabedoria suprema já sabia que Adão teria este pensamento o fez dormir e providenciou, Eva.

Imagino o coração de Adão acelerado ao ver aquela linda mulher ao abrir os olhos. Você que é casado ou mesmo noivo ou tem sua namorada, consegue se lembrar da emoção que o tomou ao vê-la pela primeira vez? As mãos suando, o coração disparado, os olhos arregalados e um ar de abobado que só nós homens somos capazes de fazer quando vemos uma mulher que percebemos ser especiais entre todas as outras. Adão não era diferente nesse aspecto e deve ter sentido esse turbilhão de sentimentos e ter ficado em um misto de felicidade incontida e timidez inicial.

No entanto Deus não criou Eva apenas para ser a parceira reprodutiva de Adão com o qual eles encheriam o mundo com sua descendência e pronto. Não. Adão e Eva foram criados para ir muito além de todos os animais criados por Deus ao qual Adão tinha já nomeado. Eles iam se amar, se respeitar, iam ser um só em pensamento e unidade, iam passar todos os seus anos juntos o que antes do pecado significava que eles seriam eternamente um casal, enfim Deus instituiu ali o casamento.

O trabalho de Adão, nomeando os animais criou nele um sentimento de necessidade por uma companheira. Esse sentimento nos acompanha até hoje. Não fomos criados para sermos sós. É evidente que existem pessoas que não se casam e são felizes assim, o casamento por si só não define a chance de felicidade ou não de uma pessoa, mas é também fato que um casamento sólido e bem estruturado traz uma felicidade e paz de espirito incomparáveis.

O casamento quando levado com a seriedade que a sua instituição exige faz com que tanto o homem quanto a mulher cresçam em todos os campos de sua vida. Mas isso só acontece quando Deus se torna o centro da vida do casal. Um casamento sem Deus como seu timoneiro tem muito mais chances de naufragar do que um casamento que em que o casal busca incessantemente a orientação divina.

Satanás sabe que destruir a família significa destruir em grande parte a possibilidade de salvação de milhões de indivíduos e sabe que não existe melhor forma de fazê-lo do que atacando o casamento. Imensas são as ciladas do inimigo no caminho de um casal que busca andar nos caminhos do Pai e sem o constante auxílio Dele a derrota é certa, mas por outro lado se firmarmos nosso compromisso de um casamento saudável e feliz aos pés de Cristo nada pode abalar a vida plena e feliz de um casal.

Se olharmos a natureza podemos ver mesmo em animais sem o poder de raciocínio que nós seres humanos temos, demonstrações de carinho e cuidado tanto do macho para com a fêmea e vice e versa e isso deveria nos levar a refletir que se esses seres sem nossa capacidade de escolha acolhem a sua “esposa” e prole quanto mais nós deveríamos fazer por nosso parceiro de uma vida.

E, na verdade, é disso que se trata o casamento: Uma parceria para a vida terrena que vai perdurar na vida eterna quando a alcançarmos. Choramos com nossas esposas e maridos, rimos com eles também, criamos filhos, pagamos contas, compramos o carro novo, a casa, passamos por problemas financeiros, fazemos “bico” quando algo nos desagrada, brigamos eventualmente, fazemos as pazes… Enfim, toda a nossa vida após o dia que casamos é projetada e vivida a dois. Não pode haver espaço para decisões tomadas de forma unilateral e egoísta, não se pode colocar o outro em posição de inferioridade, nem à frente e nem atrás. Somos feitos para caminharmos lado a lado e lado a lado lutarmos pelo bem da família que o casamento constitui.

Se protegemos nosso núcleo familiar das tentações do inimigo, se buscamos os braços de amor de Pai e neles nos abrigamos, temos a receita para um casamento feliz que preserva os valores familiares e que levará a nós e nossa família a vitória final contra o pecado capitaneados por nosso Mestre Jesus. A vida a dois nos torna além de tudo um refúgio para a nossa amada e vice e versa. Se vêm os momentos de dúvida, tristeza, aparente fracasso, um consola ao outro, um encoraja ao outro e assim a vida fica muito mais fácil de ser vivida. Garanto que é uma experiência, a de estar casado, única e maravilhosa mesmo diante de todos os percalços que possam surgir.

Deus instituiu ainda no Éden a família e ela começa no matrimônio. Quando deixamos pai e mãe e com o propósito futuro de nós mesmos nos tornarmos pais e mães escolhemos aquela pessoa que faz com que nossas mãos suem, que nosso coração dispare e que no caso de nós homens, a nossa cara de abobado fique sem possibilidade de disfarce. Sim, existem problemas, existem momentos em que talvez você se pergunte se vale a pena, mas ao olhar para Deus e seu propósito de nos fazer feliz através de um casamento pleno e feliz, esses momentos duram segundos, segundos esses que não são nada perto da eternidade que nos aguarda para ser vivida ao lado de quem amamos.

Davi Rocha

Share

Um comentário to “Eu também quero! – Dom. 24/02”

  1. Ruth Alencar
    24 de Fevereiro de 2013 at 08:39 #

    Eu parto do princípio de que a verdadeira solidão é não conhecer e relacionar-se com Cristo. Jesus é o único que preenche com perfeição a mais profunda solidão do ser humano.

    Mas, eu penso também que Deus fez de propósito levar os animais em pares diante de Adão. Ele não o criou para ser sozinho. Estabeleceu vontade de relacionar-se em suas emoções, pois Adão foi feito à semelhança de Deus. É assim que se passa com a divindade: há relacionamento entre Pai, Filho e Espírito Santo.

    Muitos acusam Deus de machismo, mas a própria forma como Deus criou Eva é muito sublime! Quisera os acusadores de Deus compreendesse isso.

    No hebraico ‘companhia adequada’ (ou companheira idônea) sugere ‘apoio’. No mesmo sentido usado com relação a Deus registrado em Salmo 33:20 e Salmo 54:4.

    A sugestão é de que a mulher é contrapartida do homem, seu complemento. Dai porquê somos de fato diferentes: macho e fêmea. A intenção do Criador ao nos fazer diferentes foi exatamente criar em nós a missão da complementação. Embora, eles guardassem em si mesmos a mesma natureza, eles eram correspondentes.

    Ótimo texto.

Faça seu comentário