Archive by Author
Article

Assim como Pedro – Qua. 20/06

Todos nós recebemos, um dia, o mesmo convite feito a Pedro anos atrás: “Segue-me”.

Assim como Pedro, abnegadamente abrimos mão de muita coisa e passamos a seguir Jesus.

Passado algum tempo, assim como Pedro, começamos a imaginar que algumas coisas no plano de Deus necessitam algum retoque, adaptações.

Assim como Pedro, deixamos de seguir Jesus e passamos a andar à sua frente, querendo que Ele nos siga.

Assim como Pedro, queremos coisas grandes, e até deixamos uma ou outra pessoa ir embora da presença de Jesus, triste (o jovem rico), sem o nosso testemunho que poderia mudar uma história de vida.

Assim como Pedro, por vezes, nos sentimos melhor do que os outros, mais preparados, mais aptos, com melhores ideias.

Assim como Pedro, às vezes julgamos pela aparência, ignorando uns, mas nos desdobrando para atender outros quando estes parecem ser importantes. Deixou ir o jovem, mas se propôs a montar uma tenda para Moisés e Elias no monte da transfiguração.

Assim como Pedro, nos julgamos por nós mesmos mais poderosos que Satanás.

E quando, assim como Pedro, achamos que tudo vai bem, caímos. Tão profundo que a nossa auto-motivação não consegue nos convencer a levantar, e nos afundamos em remorso.

Mas nada disso foi mal intencionado, assim como Pedro, tudo o que fizemos foi para o bem de Deus e da igreja! Por que e como isso aconteceu?

A nossa visão é limitada, enxergamos só a aparência das coisas, e julgar pela aparência é um perigo!

Querer coisas grandes não é errado, mas nada é maior do que o ser humano, nada é maior do que um ser humano.

A aparência nos ensina que o conceito de sucesso está intimamente vinculado a números: queremos as nossas igrejas lotadas, queremos falar a multidões, queremos recorde de público, quando, na contramão desse pensamento, Jesus ensina: “amai-vos uns aos outros” (João 13:34). Individualmente, e não coletivamente. Amar as pessoas nas suas peculiaridades.

Assim como Pedro, quando caídos na frustração, Jesus reaparece, especialmente para nós, acende um braseiro, e no mesmo cenário onde um dia O negamos, Ele nos dá a oportunidade de repetir que O amamos, e gentilmente repete as mesmas palavras cujo significado esquecemos nalgum ponto da jornada: “SEGUE-ME”.

E agora, assim como Pedro, nessa nova oportunidade, chamados a pastorear ovelhas, e tornando-nos humildes, amando uns aos outros, NOS TORNAMOS GRANDES, nossa igreja cresce, e “dia após dia o Senhor acrescenta os que vão sendo salvos” (Atos 2:47).

Ore e ame, o crescimento é com Deus!

José Sérgio Miranda

Faça seu comentário
Article

Motivação – Qua. 13/06

MOTIVAÇÃO: combinação de ELOGIO RECONHECEDOR e CONSELHO CONSTRUTIVO

Segundo o dicionário, MOTIVAR é dar motivo a. Motivação, por sua vez, significa expor os motivos.

Ser motivado significa empenhar-se ao alcance de um objetivo, um propósito, um motivo.

Vale dizer que o empenho de alguém está intimamente relacionado ao seu motivo, seu objetivo: sendo-lhe valioso o objetivo, tanto quanto o será o empenho.

Assim sendo, a motivação pode ser interna ou externa: você pode se motivar, ser motivado e motivar os outros.

Ocorre que, ao contrário do que muitos pensam, motivação não significa tão somente o enaltecimento daquilo que é bom em alguém, só elogio, para animá-lo, escondendo os erros e defeitos, mas requer uma avaliação honesta, inclusive dos erros, para removê-los do caminho, e a frustração não sobrepor-se ao objetivo, sufocando o empenho.

Por outro lado, deixar de ressaltar os acertos, deixar de elogiar com sinceridade, para apenas tecer cobranças e mais cobranças, pode fazer com que alguém nunca experimente a sensação e certeza de estar no caminho certo.

Há quem diga que elogiar é nocivo, porque isso pode despertar o orgulho, que é um mal.

Com todo respeito, um mal é a LISONJA, a BAJULAÇÃO. O elogio sincero, como reconhecimento, é chancelado por Jesus, que, ao final vai te dizer: “Servo BOM e FIEL, foste fiel no pouco, sobre muito de colocarei…” (Mateus 25:21). Eis um exemplo de elogio como reconhecimento.

A motivação é a combinação de um ELOGIO RECONHECEDOR e CONSELHO CONSTRUTIVO.

Quando o assunto é motivação, no Apóstolo Paulo encontramos a estratégia eficaz para manter a igreja no caminho.

Coube ao apóstolo Paulo repreender e aconselhar a igreja em Corinto. Pra vocês terem uma idéia a cidade de Corinto era universalmente conhecida pela sua imoralidade. E nesse lugar uma igreja estava plantada, e, depois de algum tempo, passou a apresentar os seguintes problemas: partidarismo, incesto, ação judicial entre eles, envolvimento com prostitutas, desordem no serviço de culto, dúvidas a respeito da doutrina da ressurreição e assim por diante.

Se você fosse enviado a Corinto para motivá-los, qual seria a sua estratégia?

Normalmente pensaríamos em chamar o pecado pelo nome, sair cortando todo mundo do rol de membros, amaldiçoá-los e MISSÃO CUMPRIDA.

Mas o Apóstolo Paulo, motivador por excelência que era, dedicou-se em primeiro lugar em EXALTAR AS QUALIDADES DA IGREJA DE CORINTO, e os nove primeiros versos de I Coríntios retrata o seu discurso. Ele disse a respeito dos coríntios: Cristo podia ser visto na vida deles, era uma igreja que manifestava todos os dons, Deus se alegrava em mantê-los no caminho correto, eles ansiavam pela volta de Jesus e Deus não desistiria deles jamais.

Após o ELOGIO RECONHECEDOR, o Apóstolo Paulo emenda um CONSELHO CONSTRUTIVO: “Tenho uma preocupação a compartilhar com vocês… vocês precisam aprender a entrar em acordo”.

Depois de tantos elogios sinceros, o Apóstolo Paulo poderia expor qualquer preocupação que esta seria recebida pelos membros da igreja de corinto com ânimo para mudar.

Uma igreja com tantos dons e talentos, querida por Deus, jamais iria querer viver causando uma preocupação por uma coisa “tão pequena” como os desacordos.

Na verdade, a preocupação do Apóstolo Paulo era séria, a dissensão entre os membros não era pequena. Mas o ELOGIO na medida certa, o RECONHECIMENTO SINCERO fez com que um problema tão sério parecesse pequeno, e, nessa estratégia de motivação, a Igreja de Corinto passou pelo problema como se fosse um trator.

A IGREJA FOI MOTIVADA, ou seja, o motivo pelo qual deveriam entrar em acordo foi relembrado: a Volta de Jesus. E bastou para tanto um ELOGIO RECONHECEDOR e um CONSELHO CONSTRUTIVO, exatamente nessa ordem.

Qual tem sido a nossa postura diante da igreja, da empresa onde trabalhamos, da nossa família? Temos MOTIVADO as pessoas ao nosso redor?

Nunca se esqueça da ordem e dos elementos do seu relatório e avaliação de desempenho: ELOGIO RECONHECEDOR e CONSELHO CONSTRUTIVO.

José Sérgio Miranda

Faça seu comentário
Article

Conecte-se. Você é a luz do mundo – Qua. 06/06

Eu confesso que o título da meditação de hoje ficou, além de longo, estranho; mas, me permita explicar:

Há coisas na vida cujo mínimo descuido determina o sucesso ou a tragédia.

Imagine que você fará uma instalação elétrica de um dispositivo muito pequeno. Os pólos (positivo e negativo) estão a alguns centímetros de distância um do outro, e você tem dois fios idênticos na mão. Se você fizer a combinação adequada: positivo com positivo e negativo com negativo, terá sucesso na ligação. Por outro lado, se você inverter os pólos, e fizer a ligação inadequadamente, poderá provocar um dano irreparável no aparelho, talvez uma explosão.

Mas os circuitos são tão parecidos, ficam tão próximos um do outro, os fios que vão num e noutro são idênticos, com uma “simples” inversão pode provocar tamanha tragédia? Mas é assim.

Além do mais, você não pode usar somente um dos pólos, eles se completam: o positivo não funciona se o negativo não for acionado e vice-versa. Por tal razão, não basta apenas um fio, são necessários dois.

O mesmo acontece quando o assunto é GRAÇA e LEI, ou, LEI e GRAÇA. São dois pólos. Interdependentes. Você não consegue se conectar com a SALVAÇÃO se não ativar os dois pólos. Porém, assim como nas instalações elétricas, A INVERSÃO NA HORA DE VOCÊ SE CONECTAR PODE CAUSAR UMA TRAGÉDIA!

A Bíblia é clara: “Somos salvos pela GRAÇA” (Efésios 2:8). Um pólo já foi ativado por Jesus. O pólo GRAÇA. Agora, para que essa conexão continue, devemos permanecer conectados nEle, andando em Seus caminhos, fazendo a Sua vontade, CUMPRINDO OS SEUS MANDAMENTOS. Quero dizer com isso que, o outro pólo, refere-se à LEI.

Primeiro a GRAÇA, em seguida a LEI. Dois fios fazem essa ativação: JESUS, acionando a GRAÇA, e VOCÊ (eu) acionando a LEI.

Se você tentar acionar o pólo LEI primeiro, achando que assim pode ligar a GRAÇA, não verá a conexão concluída, mas frustrada, “queimada”. Nem um nem outro funcionarão. Você vai gastar toda a sua energia para cumprir a LEI e nunca se satisfará. Será um fardo, um peso. “E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça” (Romanos 11:6).

Mas se, ao aceitar que a GRAÇA já está conectada, por um fio chamado Jesus, que para tanto usou um adaptador, conhecido como “T” ou “benjamin” que é a CRUZ DO CALVÁRIO, com FACILIDADE e PRAZER você se conectará ao pólo LEI, para produzir obras da GRAÇA, e, feita a ligação adequada, VOCÊ ILUMINARÁ O MUNDO.

Conecte-se. Você é a LUZ DO MUNDO (Mateus 5:14).

José Sérgio Miranda

Faça seu comentário
Article

“Melhorando” os planos de Deus – Qua. 30/05

Uma vez eu ouvi uma parábola: Deus apareceu em sonho para um homem e lhe deu uma missão: fazer com que uma bicicleta chegasse a um destino distante 1.000 quilômetros de seu ponto de partida. Deveria fazê-lo PEDALANDO.

Ao acordar, o homem, começou a traçar os planos para cumprir a sua missão, e como todo ser humano, começou a racionalizar.

A missão propriamente dita consistia na entrega da bicicleta em determinado lugar. O “pedalando” era apenas um meio pelo qual cumpriria a sua missão.

Mas… (e sempre tem um mas) outros meios poderiam ser mais efetivos e atingiriam o objetivo com mais rapidez, além de proporcionar que a bicicleta chegasse ao seu destino intacta, afinal, não teria de enfrentar jornada de 1.000 quilômetros e sofrer depreciação.

E o homem da nossa história também resolveu “melhorar” o plano de Deus: embalou a bicicleta com plástico-bolha e a despachou num vôo. Mas ele foi junto, afinal, não seria negligente na sua divina missão.

Em poucas horas estavam tanto o homem quanto a bicicleta no destino. “Missão cumprida!” Pensou.

Naquela noite, em sonho, Deus apareceu novamente e manifestou mais um ar de decepção do que de reprovação. E o homem, sem entender, questionava: “Mas, Deus, o objetivo principal não foi atingido? A bicicleta não está no lugar onde deveria?”

E Deus respondeu: “Sim, filho. Mas eu pedi que você a levasse pedalando.”

E o homem: “Mas, Deus, isso era só um meio. Eu resolvi fazer melhor”.

E Deus disse: “Se o que você fez foi MELHOR, filho, então me responda: suas pernas estão mais fortes? Os seus braços estão mais musculosos? As suas costas estão mais resistentes? O seu fôlego melhorou?” Somente a prática, o empenho, traz resultados.

Às vezes queremos “melhorar” o trabalho de Deus, mas, normalmente, o fazemos de maneira a nos dar menos trabalho. E, agindo assim, deixamos de crescer espiritualmente, experimentar o incomparável sabor de sermos agentes de um milagre, provar da sensação de sermos usados por Deus.

Deus quer que nos empenhemos no trabalho, sem atalhos, seguindo as suas orientações.

A verdade é: se você não agir, o trabalho de Deus continuará a ser feito, Ele seguirá agindo à sua volta, fazendo milagres.

Você pode escolher PARTICIPAR DE FORMA ATIVA DO MILAGRE, TRABALHAR COM ELE E CRESCER ESPIRITUALMENTE ou ser apenas um mero espectador e se desenvolver tanto quanto um aspirante a motorista que está aprendendo a dirigir assistindo vídeo-aulas no youtube.

José Sérgio Miranda

Faça seu comentário
Article

Novo ramo de Negócios de Deus – Qua. 23/05

Davi é identificado como autor de pelo menos 73 (setenta e três) salmos.

O Livro dos Salmos é dividido em cinco partes, e eu resolvi analisar alguns dos Salmos de autoria de Davi nessa primeira parte, que são 3-9, 11-32, 34-41.

Como disse, eu analisei apenas alguns na sequência numérica como se encontra na Bíblia, e me deparei com os seguintes dados:

No Salmo 3 Davi declara a sua confiança em Deus mesmo cercado por inimigos, e, ao final, testemunha ter sido ajudado pelo Senhor.

No Salmo 4 Davi recorre a Deus dizendo que se meteu em encrenca de novo, e no final, testemunha ter recebido a ajuda de Deus.

No Salmo 5 Davi busca a Deus dizendo que a sua vida está em cacos, e, no final, declara ter sido recebido por Deus.

No Salmo 6 Davi aprontou mais uma e chegou até orar assim: “1Ó Eterno, para de gritar comigo! Não me ponhas mais de castigo. Trata-me bem desta vez, pois estou carente de afeto” (Bíblia A Mensagem). O que será que Davi tinha aprontado? Seja lá o que for, tinha aprontado. Mas no final do Salmo ele declara que seus inimigos fugiram e desapareceram porque “8Deus ouviu os [seus] soluços”.

No Salmo 7 encontramos Davi correndo para Deus de novo a fim de “1Salvar a sua pele”. No final, Deus o socorre. De novo.

No Salmo 9 Davi agradece a Deus pela maravilhas que Ele fez e pede paciência com ele.

No Salmo 12 Davi não só pede a ajuda de Deus, como pede que Ele o faça RÁPIDO! Encrencou-se de novo, e Deus ajudou de novo.

E por aí vai…

Tão numerosas quanto às falhas são as intervenções de Deus. Não há falha que Deus não possa perdoar e dar uma nova chance.

Diariamente escrevemos Salmos com a nossa vida, e, muitas vezes, eles acompanham o ritmo de Davi: eu caio, Deus levanta; eu erro, Deus apaga; eu estrago Deus conserta. E é isso mesmo!

Diante das falhas você não pode se prostrar, mas adotar 3 (três) simples atitudes:

1. Desejar abandonar o erro;
2. Ouvir o conselho, ou até mesmo a repreensão de Deus, e segui-lo;
3. Se perdoar.

A verdade é que Davi vivia uma vida tão parecida com a nossa que chegou até mesmo a atribuir um novo ramo de negócios para Deus: “O negócio de Deus é consertar as coisas: seu prazer é endireitar as linhas tortas – É nos endireitar. E, uma vez de pé, poderemos olhar para Ele – olho no olho.” (Salmo 12:7 – Bíblia A Mensagem). E olha que Davi sabia do que estava falando, mas também, era praticamente um cliente preferencial. Tanto que ainda se tornou o homem segundo o coração de Deus.

Deus está no negócio de “endireitamento”, e sabe por que esse ramo vai de vento-em-popa? Porque a clientela é grande, e tem serviço pra pronta-entrega!

Faça parte comigo da lista de clientes e se torne também UM(A) FILHO(A) SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS.

José Sérgio Miranda

Faça seu comentário